Encontre aqui

Notícias

27 de Maio de 2015 às 10h16

Os sete erros mais cometidos na academia

Confira as explicações da personal trainer Selma Tonello sobre os riscos que eles podem nos causar

É um problema comum. Na ansiedade por resultados rápidos, muitas vezes acabamos pulando etapas ou deixando de lado alguns cuidados essenciais na academia. As consequências disso são as mais variadas e vão desde lesões musculares até náuseas e desmaios. Por isso fique atento à lista abaixo e lembre-se das recomendações da personal trainer Selma Tonello, coordenadora da Showa Academia, para que a malhação não faça nada além de bem para o seu corpo.

1. Não realizar os exames iniciais

Procurar um médico antes de começar qualquer atividade física é imprescindível para que o profissional de educação física possa traçar o método de treinamento adequado. Só com esses dados em mãos ele saberá se há alguma restrição a determinada prática ou como usar os exercícios para ajudar na saúde do aluno. “Pelo exame de sangue, por exemplo, temos dados como nível de colesterol, triglicérides e glicemia, números que podemos melhorar com a atividade física”, explica Selma. Mas ela reforça: “esses exames, porém, devem ser repetidos periodicamente, e não somente no início do treinamento”.

2. Pular o aquecimento

Não adianta ter preguiça: aquecer é fundamental e não vai te exigir mais do que cinco minutos. Segundo a especialista, esse é o tempo mínimo recomendado para que o corpo comece a se adaptar ao esforço físico. “Algumas pessoas acabam pulando essa etapa por achá-la desnecessária ou por terem pouco tempo para realizar o treino. Elas não sabem que quando começamos a nos movimentar de forma progressiva, o sangue é distribuído para os órgãos e músculos, melhorando a capacidade do sistema vascular e músculo-esquelético. Com isso aceleramos nosso metabolismo e ainda diminuímos as chances de lesões, já que os músculos aquecidos se tornam mais 'elásticos'”.

3. Pegar peso acima do recomendado

De acordo com Selma, a palavra-chave neste caso é “lesão”, seja nos tendões, nas articulações ou nos músculos. “O músculo é formado por feixes, que possuem fibras que contraem e relaxam durante um movimento articular. Se a sobrecarga ao esforço para executar o movimento for maior do que elas suportam, pode ocorrer seu rompimento parcial ou total, a conhecida distensão muscular. Os tendões também podem ser rompidos por fadiga ou falta de fortalecimento. Então, para evitar esse tipo de problema a dica é aumentar a carga gradativamente”.

4. Não se alimentar antes

“O alimento é o combustível do corpo”. Todo mundo já escutou isso, mas ainda é comum ver quem deixe de se alimentar antes da academia. Se isso acontece, o resultado é a queda da glicemia, que pode levar a sintomas como cansaço, dor de cabeça, tontura, náusea e até desmaio. “Engana-se quem pratica atividade física sem comer pensando que vai emagrecer. Quando nos alimentamos a cada três horas, nosso organismo entende que houve reposição energética para gastar e passa a fazer isso sem comprometer seu funcionamento”, destaca a professora de educação física.

5. Esquecer de beber água durante o treino

Durante o exercício perdemos água pelo suor, acima do que nosso corpo é capaz de produzir. Uma vez que ela é fundamental para o transporte de oxigênio aos músculos e também para o controle da temperatura corporal, a recomendação é ingerir, em média, de 150 a 200 ml a cada 20 minutos de exercício. “O excesso pode ser prejudicial, pois pode acarretar na eliminação dos sais minerais, tão importantes para o equilíbrio do organismo”.

6. Optar por um calçado inadequado

A escolha do tênis depende do tipo de atividade praticada, mas na hora de comprá-lo é necessário avaliar o tipo de solado, o material e a pisada. Isso vale não apenas para garantir o conforto, mas também para evitar lesões (graças à absorção do impacto) e melhorar o desempenho.

7. Prender a respiração

Durante a prática do exercício físico, principalmente nos mais intensos, uma grande quantidade de oxigênio é utilizada pelos músculos. “Muitas vezes o nariz não consegue atender sozinho a essa necessidade maior de ventilação, por isso muita gente acaba respirando com a boca também. Isso não está errado. O que precisa ser evitado é o bloqueio respiratório, também chamado de apneia, que compromete nosso coração por aumentar a pressão do sangue nas artérias”, conclui Selma Tonello.

indicas.com.br

COMENTÁRIOS